Faculdade Campo Real será referência em Justiça Restaurativa








A partir de 2017, o Escritório de Prática Jurídica (EPJ) da Faculdade Campo Real amplia suas atividades para abrigar também o Centro de Mediação, Arbitragem e Práticas Restaurativas. “No que se refere às práticas restaurativas, o EPJ passará a ser referência para todos os projetos de desenvolvimento de tais práticas na cidade de Guarapuava”, explica a professora do curso de Direito, Patricia Melhem Rosas.
Nesse sábado, 6 de maio, foi realizada uma reunião entre as pessoas que já passaram por cursos de formação de facilitadores. O evento contou com a presença da juíza da 3ª Vara Criminal, Carmen Zolandeck Mondin, juíza da Vara da Infância e Juventude, Raffaella Zarpelon, além do psicólogo e analista judiciário, Edson Linhares, que vem conduzindo as práticas restaurativas, junto ao Centro Judiciário de Solução de Conflitos (CEJUSC).
A reunião, que foi realizada no modelo de círculo de diálogo, abordou novas possibilidades para ampliação do novo modelo de pacificação de conflitos, agregando mais voluntários já formados.



Os voluntários foram e serão cadastrados e passarão a colaborar em duas iniciativas principais no Centro de Práticas Restaurativas: uma voltada à conflitos envolvendo violência doméstica e familiar contra a mulher, com atendimento a autores de violência e círculos entre vítima e autor; e outra iniciativa com grupo de adolescentes em conflito com a lei.
“A Justiça Restaurativa é um novo paradigma de gestão de conflitos, que propõe maior oportunidade de diálogo, reparação de danos, satisfação à vítima e reconstrução de relacionamentos individuais e sociais, com ampla participação dos envolvidos e da comunidade”, explica a professora Patricia.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Barba exige cuidados básicos, mas fundamentais

Stibo Systems auxilia na otimização no lançamento de produtos nas lojas da Netshoes

Nicolas Ferreira entra para história do FMX nacional ao acertar o frontflip