Setor de saúde privada intensifica debate sobre adoção de modelo de remuneração mais sustentável






Tecnologia é aliada na mudança de formato e pode ajudar na melhoria do atendimento prestado
O setor privado de saúde brasileiro está vivendo um momento desafiador. A instabilidade da economia aumentou o desemprego e consequentemente, as operadoras perderam clientes. Segundo a Agência Nacional de Saúde Suplementar (ANS), entre julho de 2015 e julho de 2016, aproximadamente 1,7 milhão de pessoas deixaram de ter planos médicos particulares.
O momento econômico, aliado ao modelo de remuneração vigente no País, tem pressionado para que o segmento intensifique o debate sobre a adoção de um formato mais sustentável.  Atualmente, os estabelecimentos de saúde são pagos por serviços (fee for service), ou seja, todos os procedimentos e insumos são cobrados da operadora. Quanto mais o médico solicita, mais ele ganha no final do mês. Com isso, há um aumento de custos e desperdícios de recursos, já que muitas vezes alguns materiais e procedimentos são desnecessários.
O modelo DRG (Grupos de Diagnósticos Relacionados, em tradução livre) já vem sendo discutido pelo mercado nacional e tem o apoio de entidades como Abramge (Associação Brasileira de Planos de Saúde) e da Fenasaúde (Federação Nacional de Saúde Suplementar).
O conceito consististe em reunir pacientes com as mesmas doenças e características e estabelecer um valor fixo a ser pago pelo tratamento. Há também compensações financeiras para hospitais com melhores indicadores de qualidade, como menor taxa de infecção hospitalar, por exemplo. O DRG já está presente em diversos países, inclusive nos Estados Unidos. No Brasil, existem projetos piloto e algumas operadoras já o adotaram em determinados procedimentos.
A TOTVS, líder no desenvolvimento de softwares de gestão empresarial na América, acredita que, do debate à adoção, ainda há um longo caminho para ser trilhado, mas ele passará, certamente, pela tecnologia. Os sistemas de TI podem atuar como um suporte para que o setor realize essa mudança e controle de maneira efetiva os seus gastos.
Por exemplo, a tradicional avaliação de serviços, hoje, realizada em papel, se integrada à uma cadeia de informações pode ser a catalizadora da melhora na qualidade do atendimento prestado. Além disso, a disseminação dos prontuários eletrônicos também viabilizará o sucesso do DRG no Brasil. Muitas vezes, o médico solicita um exame, já realizado pelo paciente recentemente, mas o profissional não tem esse laudo disponível em uma plataforma integrada e solicita novamente o procedimento.
A adoção da tecnologia permite ter um histórico completo do paciente e possibilita ao médico realizar uma análise mais detalhada sobre a vida da pessoa, chegar a um diagnóstico mais rápido e solicitar os exames realmente adequados. A TI pode ajudar a construir uma colaboração de informações corretas, unificadas e de fácil acesso. Uma única plataforma para integrar todos os interlocutores de saúde: paciente, operadora, hospital e profissionais da área.
O futuro da medicina está diretamente ligado à integração de dados e a interoperabilidade dos sistemas, tudo para tornar o setor mais sustentável e melhorar o atendimento. Enquanto o formato vigente é focado no volume, o DRG é centrado na satisfação e na qualidade e nesse ponto é possível avançar mais, pois já existem as ferramentas para isso. Conquistar eficiência e sustentabilidade na operação é viável, mas é necessário dar o primeiro passo.

Sobre a TOTVS
Provedora de soluções de negócios para empresas de todos os portes, atua com softwares de gestão, plataformas de produtividade e colaboração, hardware e consultoria, com liderança absoluta no mercado SMB na América Latina. Com mais de 50% de marketshare no Brasil, ocupa a 20ª posição de marca mais valiosa do país no ranking da Interbrand. A TOTVS está presente em 41 países com uma receita líquida de mais de R$ 2 bilhões. No Brasil, conta com 15 filiais, 52 franquias, 5 mil canais de distribuição e 10 centros de desenvolvimento. No exterior, conta com mais 7 filiais e 5 centros de desenvolvimento (Estados Unidos, México, China e Taiwan). Para mais informações, acesse o website www.totvs.com.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Atletas da delegação olímpica brasileira são recebidos no Palácio do Planalto

Evento no Paraná debate inovação no lançamento regional do movimento 100 Open Startups

FPT Industrial chega a marca de 30.000 motores GNV vendidos no mundo