Exclusão de ICMS também valerá para outros tributos, inclusive para a Contribuição Previdenciária sobre a Receita Bruta (CPRB)





Advogado especialista em Direito Tributário, sócio do escritório BPH Advogados, Marco Aurélio Poffo



Anúncio foi feito pelo Supremo Tribunal Federal nos meses de março e abril deste ano. A decisão pode afetar empresas de software e prestadoras de serviço da região.

Em março deste ano, o Supremo Tribunal Federal (STF) determinou que o ICMS (Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Serviços) difere dos conceitos de faturamento e de receita. Com o argumento de o ICMS não ser uma receita própria da empresa, mas um valor repassado ao Estado, a Procuradoria Geral da República (PGR) pediu a declaração de inconstitucionalidade da inclusão do ICMS no cálculo da Contribuição Previdenciária sobre a Receita Bruta (CPRB), na base de cálculo do PIS (Programa de Integração Social) e da Cofins (Contribuição para Financiamento da Seguridade Social). Na sequência, o ISS (Imposto sobre Serviços) também entrou na pauta de discussões, como possibilidade de também ser excluído da base do PIS/Cofins. No caso do ISS, a alíquota é menor. Enquanto a do ICMS chega a 18% nos estados, podendo ser ainda maior em casos pontuais, no tributo municipal ela é de, no máximo, 5%. Isso significa que o impacto negativo nas receitas será inferior. Para compensar os efeitos da decisão sobre o ICMS, a equipe econômica já prepara uma medida provisória (MP) que aumenta a alíquota do PIS/Cofins.
Para o advogado especialista em Direito Tributário, sócio do escritório BPH Advogados, de Blumenau/SC, Marco Aurélio Poffo, tanto ICMS quanto ISS são impostos indiretos que as empresas são obrigadas a incluir na base do PIS/Cofins e da CPRB, a fim de facilitar a administração tributária. Mas, como não são ônus dos empresários, não deveriam ser cobrados dessa forma. A decisão do STF pode afetar diretamente as empresas têxteis, de software e algumas outras prestadoras de serviço da região.

Risco para empresas
As empresas devem estar ao risco de o governo aumentar a carga tributária do PIS/Cofins para compensar a perda de arrecadação. Porém, se o ajuste for muito alto, pode acarretar em perdas ainda maiores para os empresários.
O Governo Federal deve solicitar que a mudança no PIS/COFINS só valha a partir de janeiro de 2018, a fim de reduzir o impacto para os cofres públicos. E isto se espera futuramente também para o ISS na base dos mesmos tributos.
“A prática do sistema tributário de incidir tributos sobre outros tributos e sobre eles próprios passará cada vez mais a ser questionada. Temos uma profusão de incidências tributárias em cascata no nosso sistema. Por exemplo, o ICMS continua tendo na sua base de cálculo o próprio ICMS”, revelou Poffo.
O debate do STF servirá para acelerar a reforma do PIS/COFINS que o governo do Presidente Michel Temer quer colocar em prática. Com isso, o Governo deve discutir uma mudança na estrutura desses tributos, com a unificação dos dois tributos e o aumento das alíquotas.

PIS/COFINS
Mais de 10 mil processos estavam com o andamento interrompido à espera da decisão do Supremo, que foi proferida em repercussão geral. A tese firmada pela Corte foi de que o “ICMS não compõe a base de cálculo para incidência do PIS e da COFINS”.
As mesmas razões que levaram à conclusão de que a base de cálculo do PIS e da COFINS não compreende o ICMS, valem para afastar a inclusão do imposto na quantificação da contribuição previdenciária substitutiva da Lei 12.546/2011.
O caso chegou ao Supremo em março deste ano após o Tribunal Regional Federal da 4ª Região ter negado o pedido de uma empresa que queria afastar o ICMS da base de cálculo da contribuição previdenciária.
Para o Tribunal, o valor do ICMS já está embutido no preço, sendo destacado para simples controle fiscal, em função da não-cumulatividade. O imposto foi chamado de ‘cobrança por dentro’.

Sobre o BPH Advogados
Com mais de 15 anos de atuação no mercado e atendendo a grandes empresas dos mais diversos ramos de atividades, o BPH Advogados tem forte atuação nas áreas do Direito Tributário - inclusive Aduaneiro e tributos incidentes no comércio exterior -, Direito Societário - abrangendo operações de M&A -, Direito Civil/Contratual, Direito Imobiliário, Direito Trabalhista, além das outras áreas jurídicas inerentes ao Direito Empresarial. Considerado um escritório boutique, em que preza pelo atendimento mais próximo do cliente e melhora nas técnicas jurídicas, é comandado pelos sócios Rafael Amaral Borba, Marco Aurélio Poffo e Shirley Henn. Atualmente, possui unidades estabelecidas nas cidades de Blumenau e Lages.
Por dois anos consecutivos, 2014 e 2015, o escritório esteve em destaque no anuário da Revista Análise Advocacia 500, considerado o maior levantamento do mercado jurídico brasileiro. Em 2015, o BPH Advogados ganhou destaque na categoria “especializado”, que conta com os escritórios que atendem até cinco áreas, sendo o único escritório de Blumenau a ser lembrado nesta categoria. Já em 2014, destacou-se na categoria “abrangente”.

Fonte: Mariene Maluli
Presse Comunicação Empresarial

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Barba exige cuidados básicos, mas fundamentais

Atletas da delegação olímpica brasileira são recebidos no Palácio do Planalto

FPT Industrial chega a marca de 30.000 motores GNV vendidos no mundo