Profissão: Restaurador





Segmento responsável por identificar, resgatar, restaurar e preservar patrimônios históricos exige profissionais capacitados

Curitiba, 16/02/2017 – A estrutura cultural de uma sociedade está pautada na valorização e reconhecimento de seu patrimônio histórico. Elementos como edifícios, monumentos e obras de arte de gerações anteriores, representam a origem e o legado de lugares e populações. Considerando a importância de manter viva esta memória o trabalho do conservador e do restaurador vem ganhando cada vez mais espaço no país.

O restaurador é o profissional responsável por intervir diretamente em obras de arte, edifícios, livros e demais patrimônios históricos a fim de preservar ou recuperar sua significância para a sociedade. Regulamentada em 2013 no Brasil, a profissão exige uma formação acadêmica multidisciplinar, baseada em história, história da arte, física, química, filosofia, ética e estética.

Segundo Rosina Parchen, coordenadora do curso de Restauro e Conservação De Edifícios e Obras de Arte do Centro Europeu, de Curitiba (PR), a formação em restauro permite que o profissional atue na elaboração de projetos de restauração e revitalização de construções, painéis, telas, esculturas e pinturas murais. “O curso garante ao aluno, todo o suporte teórico e prático necessário para que ele reconheça as patologias e desenvolva soluções de proteção e de intervenção em bens culturais”, detalha a especialista.

Embora a profissão apresente um papel social extremamente relevante, são poucos os profissionais habilitados na área. “A falta de especialistas capazes de elaborar um diagnóstico adequado e de intervir nos elementos históricos originais com o conhecimento necessário, pode causar danos irreparáveis a preservação das características importantes dos elementos históricos e dos conjuntos onde estão inseridos”, afirma Rosina Parchen.

Mercado de trabalho

Os principais campos de atuação destes profissionais são os museus, órgãos oficiais de proteção ao patrimônio e secretarias de cultura e ateliers especializados. Além disso, nos últimos anos, com a crescente valorização de prédios e objetos históricos e de grande valor afetivo na arquitetura, design e decoração o mercado de trabalho tem se expandido também para instituições privadas.

“Os profissionais que atuam nesta área estão sendo cada vez mais procurados para restaurarem e adequarem edificações históricas à vida contemporânea. Muitos são os exemplos de empresas que tem fixado suas instalações em prédios históricos, buscando personalidade e raízes culturais. Nestes casos a presença de um restaurador é imprescindível”, completa Rosina Parchen.

Fonte: Caroline Rodrigues
P+G Comunicação Integrada

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Barba exige cuidados básicos, mas fundamentais

Atletas da delegação olímpica brasileira são recebidos no Palácio do Planalto

FPT Industrial chega a marca de 30.000 motores GNV vendidos no mundo